Bullying E agora? O que pode fazer?


Depois de conhecer os sinais de alerta de vítimas e agressores (bullies), é natural que coloque a questão “O que fazer?”.
Se o seu filho for vítima:
·         Mostre disponibilidade para ouvir a criança;
·         Oiça sem interrupções e sem críticas;
·         Mostre empatia pelo sofrimento da criança;
·         Incentive a verbalização dos seus sentimentos, ajudando-a a dar nome aos mesmos;
·         Reforce e elogie os aspetos positivos da criança para que se sinta segura e confiante;
·         Ensine-a a pedir ajuda (mostre que pedir ajuda é um ato corajoso);
·         Ajude-a a perceber que o objetivo do bully é aborrecer o outro e que, por isso, não lhe deve dar importância;
·         Em caso de gozo, diga para ignorar o bully, fingindo que não o ouve;
·         Incentive a criança a brincar com pessoas de quem gosta e que a tratam bem.
Se o seu filho for agressor:
·         De forma calma, mas firme, ajude a criança a perceber que há certas palavras e ações que magoam os outros;
·         Reforce como é desagradável sentir-se excluído, gozado, agredido, etc.;
·         Peça-lhe que se coloque no lugar do outro e imagine o que sentiria e pensaria no caso de ser a vítima;
·         Ajude-o a perceber que não se deve julgar as pessoas pela sua aparência;
·         Ensine a reconhecer o erro e a pedir desculpas.

É importante que, antes de repreender os filhos, os oiça sem julgar e esteja disposto a ajudá-lo na resolução dos conflitos, de modo a fortalecer a sua autoestima.
  
Ana Pestana (Est. OPP Cédula nº 123146)
Rita Macedo Mimoso (Est. OPP Cédula nº 123214)



Nenhum comentário: